Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mais Mulheres Por Favor

15
Dez17

[DISCOS] | TOP 10 + 2

Os Top 10 de álbuns do ano são uma tradição de Dezembro à qual é difícil fugir se formos amantes de música e estivermos a par das novidades. É uma excelente forma de se fazer um resumo do ano e um exercício muito útil para percebermos se andamos agarrados às mesmas músicas de sempre ou se continuamos a descobrir novos álbuns e novas bandas.

 

Este ano dei especial atenção à presença feminina nas bandas e fui agradavelmente surpreendida. Conheci novas bandas que entraram directamente para os favoritos de sempre, com álbuns recheados de músicas fantásticas, que se podem ouvir do início ao fim sem saltar faixas, álbuns que não se resumem a um único single. Álbuns com mensagens importantes, álbuns de estreia, álbuns de consolidação, álbuns revolucionários. Para além das descobertas, também tive a oportunidade de ouvir os novos álbuns de bandas que já acompanhava e foi tão bom regressar.

 

É verdade que sou particularmente tendenciosa com o género de música que ouço, não faço grandes desvios, sou conservadora dentro do alternativo, sem dramas, sem preconceitos. Descobri o meu género de eleição e não tenho a disponibilidade necessária (nem a paciência, confesso) para fazer esforços para gostar de outras coisas, gosto do conforto, mas vou descobrindo bandas e álbuns novos dentro do que são os meus gostos. Quando me apaixono por uma banda de um género ao qual não estou habituada, faço-o repentinamente, gosto e pronto.

 

Também acontece não gostar logo na primeira vez que ouço, esqueço, volto a ouvir num acaso e faz-se o clique, adoro, vou a correr ouvir o álbum todo, álbum preferido da vida. Faz parte de mim, já não sei viver de outra maneira. Foi o caso de Myrkur, projecto musical de black metal da dinamarquesa Amalie Bruun, sobre a qual tenho de vos falar com urgência.

 

O ano de 2017 foi excepcionalmente rico na música que ouvi e nas aquisições que fiz. Quase todos os álbuns pelos quais me apaixonei (e que estão todos neste Top 10, nenhum ficou de fora), estão em casa, em vinil, alguns em edições de perder a cabeça, outros em edições clássicas (que vos hei-de mostrar em breve, tenho andado em falta neste campo, bem sei). Na verdade, o único que não tenho é porque não existe em vinil (Mallu, trata lá disso).

 

Ficam então os 10 melhores álbuns de 2017 de bandas parcial ou integralmente femininas, de acordo com os meus gostos pessoais. A ordem é praticamente aleatória já que é díficil estabelecer diferenças e posições entre eles, todos têm um lugar especial no meu coração.

 

1. The Big Moon - Love In Ihe 4th Dimension
2. Myrkur - Mareridt
3. Marika Hackman - I'm Not Your Man
4. Wolf Alice - Visions Of A Life
5. Cherry Glazer - Apocalipstick
6. St. Vincent - Masseduction
7. Alvvays - Antisocialites
8. Pega Monstro - Casa de Cima
9. Mallu Magalhães - Vem
10. Angel Olsen - Phases

 

7E3D36B8-7016-4D96-BD08-BCEC7B01E795.JPG

ACDDF6F4-2894-413E-BA2E-259914E745BB.JPG

D4855F6E-F72A-4886-9040-3F57E03D0F67.JPG

 

Deixo também dois álbuns espectaculares de 2016 que apenas descobri este ano.

 

Weyes Blood - Front Row Seat To Earth
Myrkur - Mausoleum

 

Quais foram as vossas descobertas musicais em 2017?

 

09
Out17

[DISCOS] | Burn Your Fire For No Witness

5B60EC8D-0556-48D5-87ED-E4893356540D.JPG

 

Com um dos melhores títulos de sempre, Burn Your Fire For No Witness (2014), de Angel Olsen, ganhou lugar cativo no meu coração para toda a eternidade, arrisco-me a dizer.

 

Este é o segundo álbum de Angel Olsen e foi pelo burburinho que se gerou em torno do mesmo, por altura do seu lançamento, que fiquei a conhecer e a adorar esta cantora. Ouvi este disco tantas vezes que lhe decorei as músicas e a sequência, já que o devorava de uma ponta à outra. Três anos passados, esta edição simples e muito bonita faz, finalmente, parte da minha colecção, faltando-me apenas vê-la ao vivo.

 

6D3CBA46-3087-472B-A34F-1C417A7EEB2B.JPG

 

Não há músicas menos boas neste disco e, em cada uma delas, sentimos vontade de cantar em conjunto com Angel Olsen, a uma só voz, de peito aberto e coração livre, com a mesma força que nos é transmitida a cada música. Um dos melhores discos de sempre.

 

As minhas preferidas fazem quase todas parte da primeira metade do disco, a mais intensa e que mexe mais comigo: Unfucktheworld, Forgiven/Forgotten, Hi-five e High & Wild. A segunda metade é mais calma mas igualmente espectacular, destaco: Stars, IotaWindows.

 

4668151E-4139-4039-9265-818703110D1E (1).JPG

 

Podem ver no instagram (@morewomenplease) algumas das minhas letras preferidas deste álbum, bem como dos que já falei ou irei falar por aqui.

 

22
Set17

[DISCOS] | My Woman

IMG-1030.JPG

 

My Woman (2016) é o terceiro (e mais recente) álbum de Angel Olsen, cantora e compositora norte-americana, nascida em 1987. Angel Olsen é responsável por ter escrito e dado voz a algumas das minhas músicas preferidas, algumas delas presentes neste álbum, muito bem recebido pela crítica.

 

Como admiradora sua desde 2014 tinha, obrigatoriamente, de começar a coleccionar os vinis. Este foi o primeiro que adquiri, um gatefold maravilhoso com as letras das músicas e algumas fotos no seu interior, e uma foto de capa soberba.

 

IMG-1023.JPG

 

A minha música preferida deste álbum é Shut Up Kiss Me. Ouçam-na com o volume bem alto. Outras de que também gosto muito são: Never Be Mine, Give It Up, Not Gonna Kill You e Woman.

 

IMG-1026.JPG