Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mais Mulheres Por Favor

07
Mar18

[LIVROS] | Jane Eyre

2148B4E6-F368-41DB-A733-1A2145DBC603.JPG

 

Jane Eyre, de Charlotte Brontë, foi a leitura do Clube dos Clássicos Vivos para os meses de Janeiro e Fevereiro. Vamos discuti-lo no dia 17 de Março, em Sintra, por isso, ainda vão mais do que a tempo de o ler e aparecer por lá. Os encontros do Clube são sempre uma animação e uma experiência de partilha e troca de opiniões incrível.

 

Esta escolha agradou-me desde o início por dois motivos, por ser um grande clássico escrito por uma mulher e por já se encontrar na minha estante (por ler) há demasiado tempo. Apesar do meu entusiasmo inicial, não estava à espera de gostar tanto desta leitura. Acredito que o li na fase certa da minha vida, já que este livro me serviu de refúgio durante um dos meses mais difíceis de sempre. De cada vez que lhe peguei, senti-me a mergulhar nesta história, como se seguisse Jane a cada passo, nada mais havia à minha volta, foi um verdadeiro bálsamo para a vida real.

 

Creio que este clássico desperta sentimentos mistos nos leitores, há os que o adoram e os que não se arrebatam com Jane e toda a história acaba por lhes passar um pouco ao lado. O facto deste livro ter tido a capacidade de me absorver por completo, fazendo-me sentir cada dor e cada momento de felicidade de Jane Eyre como se fossem meus, fez com que tudo me parecesse perfeito: a escrita (apesar desta edição não ser das melhores), o desenrolar da história e até mesmo os clichés com que nos vamos deparando ao longo desta leitura, que os há, é verdade, no entanto, nem por uma vez me fizeram revirar os olhos, produziram sim em mim uma sensação de conforto.

 

A história que Jane Eyre nos vai contando, na primeira pessoa, desde os tempos em que, em criança, vive na casa da tia e dos primos, local onde nunca foi bem recebida, passando pelo colégio interno de Lowood até se tornar perceptora, está tão bem descrita e articulada a cada capítulo, que a sua fluidez encontra-se realmente próxima da perfeição. Todos estes ingredientes provam-nos inequivocamente que Charlotte Brontë escreveu um romance maravilhoso, que perdura e, sem dúvida, perdurará ao longo dos tempos.

 

Esta foi uma experiência de leitura tão pessoal, íntima e introspectiva que se tornou complexo colocar por escrito tudo o que esta me fez sentir, resta-me apenas acrescentar que Jane Eyre fez-me verdadeiramente feliz e deixou-me cheia de esperança e a transbordar de amor, apesar dos tempos sombrios que estava a viver. Por este motivo, este livro terá para sempre um lugar especial no meu coração e irei, certamente, ficar com os olhos a brilhar de cada vez que o recordar.

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Alexandra 12.03.2018

    Não achei que estivesse cheia de clichés, de todo, apenas senti que iam surgindo esporadicamente ao longo da história, mas não me incomodaram, muito pelo contrário, fizeram-me sentir uma espécie de conforto e familiaridade. Penso é que para alguns leitores isto poderá ser um motivo para não apreciarem tanto a obra, mas eu adorei :P

    Está tudo bem agora, obrigada :) Sim, mal posso esperar :D
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.