Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mais Mulheres Por Favor

Banner billboard Saldos 2019
28
Dez18

[DISCOS] | TOP 10 + 2

 
À semelhança do ano passado, deixo-vos o meu TOP 10 de álbuns de bandas parcial ou integralmente femininas, lançados em 2018, e um bónus de dois álbuns de 2017, que apenas ouvi com mais atenção/descobri este ano. 
 
Mitski, Courtney Barnett, Florence + The Machine e Hinds, já acompanhava há algum tempo, as restantes bandas são novas descobertas. Grande parte das descobertas musicais que fiz, aconteceram perto do final do ano, quando começaram a ser publicadas as listas de melhores álbuns do ano. Foi assim que Lucy Dacus e Our Girl tiveram entrada directa para o TOP 5 e que Anna Burch e Snail Mail chegaram ao TOP 10, há poucas semanas.
 
Deste TOP 10 de álbuns, nove deles já fazem parte da minha pequena colecção de vinis e o que está em falta está prestes a ser encomendado. Confesso que fico com um sorriso parvo na cara quando olho para esta lista e constato que, durante este ano, ouvi e descobri bandas com imensa qualidade e que há tantas mulheres a dar cartas no mundo da música. Mulheres que fazem tournées mundiais, que esgotam concertos, que são reconhecidas nas listas de melhores discos do ano, em lugares de destaque e não no final, e cujos álbuns têm, tantas vezes, edições limitadas em vinil (que desaparecem a uma velocidade vertiginosa)
 
Os posts sobre música nunca tiveram tanta receptividade aqui no blog como os de livros, até porque o meu talento para escrever sobre música é praticamente nulo e tenho um gosto muito pouco comercial (pelo que se torna difícil encontrar afinidades musicais por aqui e, consequentemente, há menos comentários e interesse desse lado e mais desmotivação para escrever deste), mas a verdade é que gosto de partilhar o que ando a ouvir e os vinis que compro e queria fazê-lo com maior regularidade por aqui, mesmo que haja apenas uma pessoa desse lado a interessar-se minimamente em saber o que ouço, em dar uma oportunidade a novas bandas ou a novos géneros musicais. Em 2019 espero mudar isso. 
 
Agora sim, os meus dez álbuns favoritos de 2018 e respectivas fotos dos que já fazem parte da colecção cá de casa.
 
TOP 10 de 2018
 
1. Be the Cowboy - Mitski
Quinto álbum de estudo de Mitski Miyawaki, filha de pai americano e mãe japonesa. Be the Cowboy foi muito bem recebido pela crítica e surge em diversas listas de melhores álbuns do ano. Comecei a acompanhar Mitski na altura em que lançou Puberty 2 (2016), um dos meus preferidos nesse ano e que, sinceramente, me parecia inultrapassável, mas este novo álbum é ainda mais poderoso e consistente, mais maduro. (ouvir)
 

AfterlightImage (6).JPG

 

2. Tell Me How You Really Feel - Courtney Barnett 
O segundo álbum a solo da australiana Courtney Barnett, foi considerado o melhor álbum de rock pela Australian Recording Industry Association Music Awards. Apesar da crítica não ser tão consensual como no primeiro álbum (Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit, 2015), este é o meu preferido, e consta também na maioria das listas de melhores discos do ano. (ouvir)
 

AfterlightImage (4).JPG

 

3. Historian - Lucy Dacus
Comecei a ouvir o segundo álbum da americana Lucy Dacus pouco antes do Natal, mas tal foi suficiente para que Historian tivesse entrada directa para os favoritos do ano. Se já estivesse a ouvi-lo desde Março (quando foi lançado) seria certamente um sério candidato ao primeiro lugar deste top. Ma-ra-vi-lho-so. (ouvir)
 

AfterlightImage (12).JPG

 

4. Stranger Today - Our Girl
Álbum de estreia da banda britânica Our Girl, que descobri apenas em Dezembro, e que (à semelhança do anterior) me conquistou imediatamente. Fiquei maluca quando descobri que Soph Nathann faz parte desta banda (juntamente com Lauren Wilson e Josh Tyler), já que esta também pertence à banda The Big Moon, cujo Love In The 4th Dimension foi o meu álbum preferido de 2017. (ouvir)
 

AfterlightImage (10).JPG

 

5. High As Hope - Florence + The Machine
Este era outro dos álbuns que já sabia que seria lançado em 2018 e que aguardava com muita expectativa. Sempre tive um fascínio pela música da banda liderada pela britânica Florence Welch e o quarto álbum, High As Hope, não foi excepção. (ouvir)
 

AfterlightImage (3).JPG

 

6. I Don't Run - Hinds
Banda queridinha do coração. Este quarteto espanhol composto por Carlotta Cosials, Ana Perrote, Ade Martin e Amber Grimbergen, dificilmente me vai desiludir. Depois de Leave Me Alone, o segundo álbum I Don't Run confere a esta banda maior solidez (se dúvidas ainda existissem), algo que se reflete muito na postura e confiança de todas. Actualmente, são um exemplo para imensas miúdas que querem formar a sua própria banda. Tive a sorte de vê-las pela primeira vez ao vivo, no Music Box em Novembro, e foi uma das melhores coisas da vida, estive mesmo perto do palco e ainda consegui fazer parte de um abracinho à Ana Perrote, que desceu do palco para cantar connosco. (ouvir)
 

AfterlightImage (7).JPG

 

7. Quit the Curse - Anna Burch
Quando ouvi Quit the Curse pela primeira vez, apaixonei-me logo pela música In Your Dreams. Daí até a cantarolar todas as músicas do álbum foi um instante, já que passei praticamente um dia inteiro a ouvi-lo. Quit the Curse é o álbum de estreia da americana Anna Burch e, para minha sorte, descobri-o numa pequena lista de álbuns indie de 2018. (ouvir)
 

AfterlightImage (11).JPG

 

8. Hunter - Anna Calvi 
O primeiro álbum da britânica Anna Calvi foi lançado em 2011, o segundo em 2013, mas, só em 2018, após um hiato de 5 anos, surgiu o terceiro, Hunter. Descobri-o através da Vodafone FM, pouco tempo antes de Anna Calvi ter actuado em Portugal (arrependo-me tanto de não ter ido) e foi amor imediato. (ouvir)
 

AfterlightImage (8).JPG

 

9. I Need to Start a Garden - Haley Heynderickx 
Ouvi o álbum de estreia da americana (com raízes nas Filipinas) Haley Heynderickx graças à recomendação de uma das minhas contas de instagram preferidas @avinyldiary (que pertence à Lisa, de Berlim, que tem um gosto musical muito próximo do meu e que publica fotos maravilhosas). I Need to Start a Garden transmite uma sensação de conforto e tranquilidade devido ao seu registo mais acústico e o uso que Haley faz da técnica fingerpicking torna tudo mais íntimo e especial. (ouvir)
 

AfterlightImage (5).JPG

 

10. Lush - Snail Mail
Snail Mail é o projecto a solo da americana Lindsey Jordan e Lush o seu primeiro álbum. A voz de Lindsey e o ritmo deste álbum são perfeitas para aquelas tardes de domingo de preguiça no sofá, com chá, mantas e livros. As críticas a este álbum apontam que Lindsey terá um futuro auspicioso pela frente, assim como o facto de Lush estar incluído entre os melhores álbuns indie de 2018. (ouvir)
 
(2017)
 
Belladonna of Sadness - Alexandra Savior
Ainda estou para compreender como é que o álbum de estreia da americana Alexandra Savior me passou ao lado, em 2017. Para além de ter sido produzido por James Ford e Alex Turner, Alexandra Savior escreveu, juntamente com Turner, a minha música favorita do último álbum dos The Last Shadow Puppets (Everything You've Come to Expect, 2016), Miracle Aligner, algo que não devia ter-me escapado, sendo eu fã do Alex Turner em geral e dos The Last Shadow Puppets em particular. A influência destes produtores é notória, mas Belladonna of Sadness é fantástico por si só e, como não podia deixar de ser, já faz parte da colecção de vinis cá de casa. (ouvir)
 

AfterlightImage (9).JPG

 

Hiss Spun - Chelsea Wolfe
Hiss Spun, da americana Chelsea Wolfe, é o álbum com o registo musical que mais se destaca nesta lista. É metal (uma mistura de doom metal e experimental metal), quando tudo o resto é indie. Já o tinha ouvido em 2017, por existência de quem houve metal lá em casa, especialmente porque no ano passado tinha ficado fã de Myrkur (banda de black metal da dinamarquesa Amalie Brunn), mas na altura não funcionou lá muito bem comigo. Este ano, ouvi por acaso a música 16 Psyche e deu-se um clique. Gostei tanto, que comecei a ouvir mais e mais. Apesar de ser metal, é uma coisa assim mais levezinha e musicalmente melhor aceite pelos meus ouvidos do que o metal mais pesado. Mais uma prova de que não há fronteiras musicais inquebráveis. É o único vinil desta lista que não é meu, mas é como se fosse. (ouvir)

 

AfterlightImage (2).JPG

 

WOOK - www.wook.pt

2 comentários

Comentar post