Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mais Mulheres Por Favor

16
Nov17

[LIVROS] | As Coisas Que Perdemos no Fogo

A1C64CA8-8840-4847-AF2F-88F2E687FFB5.JPG

 

As Coisas Que Perdemos no Fogo, da escritora Mariana Enriquez, nascida em Buenos Aires, contém uma carga negra, fantasmagórica e inquietante, à qual é impossível ficar indiferente, à medida que atravessamos os seus doze contos.

 

Está longe de ser um género literário com o qual me sinto confortável, já que histórias repletas de momentos macabros e assustadores não costumam constar na minha lista de leituras habituais. Ainda assim, foi uma excelente experiência já que, para além de ter saído da minha zona de conforto, fiquei bastante encantada com a escrita e capacidade criativa de Mariana Enriquez

Sabes lá se não fez uma revisão ao carro, respondi eu, furiosa, e pensei que seria fácil matá-lo ali, podia ir buscar uma chave de fendas ao porta-bagagens e espetar-lha no pescoço, ele a mim não me queria matar, só queria tratar-me mal e quebrar-me para que eu detestasse a minha vida e não me restassem sequer forças para a tentar mudar.

Os momentos de suspense das histórias misteriosas, fantasmagóricas e macabras deixam-nos envoltos num ambiente de mistério do qual não conseguimos sair com facilidade. Aquelas histórias acompanham-nos, entranham-se na nossa mente, persistindo na nossa memória. Sem intenção propositada no momento da escolha deste livro, fiz esta leitura no final do mês de Outubro, época tradicionalmente associada ao terror, e tenho a dizer-vos que ler este livro na noite de Halloween foi uma experiência deliciosamente assustadora e que vos recomendo se não estão habituados a ler livros deste género.

Uma semana depois de deixar de comer, o meu corpo muda. Quando ergo os braços, as costelas aparecem, embora não demasiado. Sonho: um dia, quando me sentar neste chão de madeira, em vez de nádegas terei ossos, e os ossos atravessarão a carne e deixarão rastos de sangue no pavimento, rasgarão a pele por dentro.

Os meus contos preferidos foram O Rapaz Sujo e As coisas que perdemos no fogo, primeiro e último, respectivamente. O Rapaz Sujo porque foi o conto que mais me marcou, impressionou e colocou em estado de alerta, e As coisas que perdemos no fogo pela carga feminina imposta, já que se tratam de relatos de violência doméstica onde as mulheres são brutalmente queimadas e da luta que daí resulta, um conto muito poderoso e perfeito para o encerramento desta colectânea. Sendo esta a primeira obra editada de Mariana Enriquez em Portugal, fico à espera das próximas com grandes expectativas.

 

4 comentários

Comentar post